A Neurociência e os vícios da tecnologia.

No último dia 03 realizamos um webinar com a parceria da Kaspersky, abordando um tema bastante atual: Neurociência e os vícios da tecnologia.

Nossa consultora sênior, Roberta Ferreira, fez a abertura dando a palavra a doutora  Nathalie Gudayol, Psicóloga e Neurotrainer, que nos fez perceber, durante a apresentação, que estamos cada vez mais conectados e que a pandemia só acelerou um processo de virtualização que já iria acontecer.

Discutimos sobre os pontos positivos e negativos desse novo cenário, não deixando de destacar a importância do equilíbrio, pois apesar de muitos se habituarem com a utilização contínua das tecnologias, podemos afirmar que não é saudável para o ser humano estar 24 horas por dia conectado, e que esses hábitos podem levar ao vício.

A doutora iniciou a palestra falando sobre as implicações do uso da tecnologia para o nosso cérebro, segundo ela “a tecnologia altera a expressão criativa do homem, modificando sua forma de adquirir conhecimento e, consequentemente, interferindo em sua cognição, que é responsável pela a aquisição de conhecimento e pelos processos de aprendizagem”.

O vício tecnológico vem sendo um tópico abordado por muitas empresas, inclusive a Netflix lançou recentemente um filme chamado “O Dilema das Redes Sociais”, que mostra o cotidiano de uma família e como é o comportamento dos jovens com as redes sociais e como se tornam “viciados” no uso do celular, incapazes de se desconectarem.

Segundo a doutora, esse comportamento está relacionado aos neurotransmissores que estão ligados ao sistema de recompensa do nosso cérebro, que são ativados quando utilizamos o celular e recebemos uma notificação ou conseguimos realizar uma tarefa mais rápido etc.

“Quando aparece uma notificação no celular, a retina usa suas células para identificar o movimento, nos fazendo olhar. Se for algo que nos interessa, recebemos uma injeção rápida de neurotransmissores como Dopamina e Serotonina, que são responsáveis pela sensação de bem-estar.”

Antes da aparição das tecnologias, usávamos muito mais a memória. Ainda que tivéssemos a possibilidade de escrever, não tínhamos acesso a informações com a facilidade atual. Dessa forma, era mais comum a memorização de rotas, números telefônicos, datas e eventos. Hoje quase não conseguimos decorar nosso próprio número de celular, pois este está gravado no aparelho.

Porém, o uso da tecnologia não é completamente ruim, destacamos alguns pontos positivos e negativos discutidos durante a palestra:

Positivos:

  • 1 – Facilidade no acesso de informações;
  • 2 – Novas formas de pensar e agir;
  • 3 – Ganhos de agilidade e performance;

Negativos:

  • 1 – Declínio na utilização da Memória;
  • 2 – Sequestro Atencional;
  • 3 – Dependência Tecnológica;

Apesar de ter diversos pontos positivos, o uso excessivo da tecnologia pode levar ao vício. A Associação Psicológica Americana incluiu a dependência de jogos e de internet no apêndice do DSM-V, o que aumenta a legitimidade clínica do transtorno e favorece o entendimento científico da natureza dessa dependência. Com base no DSM-V33, foram desenvolvidos oito critérios para diagnosticar a dependência de internet, a saber:

  • 1- Preocupação excessiva com a internet.
  • 2- Necessidade de aumentar o tempo conectado (online).
  • 3- Presença de irritabilidade e/ou depressão.
  • 4- Exibir esforços repetidos para diminuir o tempo de uso de internet.
  • 5- Quando o uso de internet é reduzido apresenta falta de controle emocional.
  • 6- Permanecer mais conectado do que o planejado.
  • 7- Trabalho e relações sociais em risco pelo uso excessivo da tecnologia.
  • 8- Mentir aos outros a respeito de quantidade de horas on-line.

Podemos identificar que o uso de tecnologias está em desequilíbrio quando se percebe que as outras áreas da vida (profissional, social e afetiva) estão prejudicadas. Por exemplo, usar indevidamente o computador do trabalho para jogar, assistir vídeos ou filmes, ouvir músicas durante todo o dia e não se desligar, evitando assim, os compromissos e encontros com a família e/ou amigos.

Para finalizar a palestra, a dra. Natalie deixou algumas dicas para evitar o uso contínuo e, consequentemente, o vício:

1 – Não use telas duas horas antes de dormir

A exposição à luz azul, presente na tela do seu celular e tablet, representa uma séria ameaça aos neurônios retinais e inibe a secreção de melatonina, um hormônio que influencia os ritmos cardíacos e o sono.

2 – Neste período de quarentena, busque aumentar suas fontes de prazer com a prática de atividade física ou desenvolvendo habilidades novas. Existe vida fora da internet, explore-a mais!

3 – Passe mais tempo na natureza

Passar o tempo na natureza tem impactos positivos na saúde física, como redução da hipertensão e doenças respiratórias e cardiovasculares, além de melhora do humor e redução da ansiedade.

Conclusão

Concluímos que, apesar da constante evolução, devemos ter um equilíbrio. E, nós da MD Systems e da Kaspersky, nos preocupamos com o bem estar de nossos clientes e funcionários, portanto trouxemos uma profissional para dar dicas e alertar sobre os riscos. O conteúdo pode ser utilizado tanto para eles quanto para os seus familiares!

OUTRAS NOTÍCIAS

Política de Privacidade

O que é Zero Trust?

Projeto de Outsourcing com Barracuda CloudGen Firewall para indústria de poliuretanos

Projeto completo de segurança de dados.

Logo

Nos siga nas redes sociais

Política de Privacidade

São Paulo

Rua Paes Leme, 215
Conjunto 1019
São Paulo – SP
CEP 05424-150
(11) 3129-9444

Campinas

Avenida Antônio Artioli, 570
Edifício Zug, Sala 20 – Swiss Park
Campinas – SP
CEP 13049-253
(19) 3778-9880

Rio de Janeiro

Av. Alm. Barroso, 81
Sala 36105, Centro
Rio de Janeiro - RJ
CEP 20031-004
(21) 3942-6544